Geração Espontânea

Geração Espontânea

 
Você está aqui: A Jornada >> Geração Espontânea

Geração Espontânea
O que dizer sobre a geração espontânea da primeira forma de vida? A evolução Darwiniana (e neo-darwinista) só se focaliza no mecanismo de alteração ao longo do tempo entre os tipos de organismos. A teoria da evolução ainda não lida com o primeiro organismo que surgiu por acaso no nosso chamado "planeta primitivo" - isso é chamado de "geração espontânea".

Sem colaboração de um meio exterior, a "geração espontânea" é realmente a única explicação para os primeiros organismos na Terra. O conceito remonta à época de Anaximandro, filósofo grego do século 6 AC que propôs que a vida surgiu a partir de lama exposta à luz solar. Embora a teoria de Darwin se focalize no mecanismo de mudança evolutiva entre as formas de vida, ele também afirmou que a vida original provavelmente surgiu de um "lago pequeno" onde a luz solar agia em sais orgânicos. Na década de 1920, os cientistas Oparin e Haldane atualizaram a conjectura básica de "geração espontânea" ao proclamar que a luz ultravioleta agindo sobre a atmosfera primitiva de água, amônia e metano produziu uma sopa "quente e diluída" de vida básica.

Ao dar continuação à minha leitura, descobri um tema interessante. Os meios de comunicação público e de ensino não tinham qualquer problema com essas teorias e conjecturas básicas. No entanto, ao longo das duas últimas décadas, a comunidade científica tem se tornado cada vez mais inquieta. Enquanto que a ciência e tecnologia do século 20 de alguma forma eliminaram a necessidade filosófica para qualquer coisa metafísica, a ciência e tecnologia do século 21 estavam revelando coisas que não podem ser explicadas apenas por supostos processos físicos.

Considerando que a sopa pré-biótica é mencionada em tantas discussões sobre a origem da vida como uma realidade já estabelecida, é na verdade um choque perceber que não há absolutamente nenhuma evidência positiva para a sua existência.1

Algo não estava se conectando bem aqui - os cientistas de todos os ramos (ateus, agnósticos ou teístas) estavam declarando que a geração espontânea foi desmentida cem anos atrás! 2

Na verdade, os cientistas evolucionistas começaram a olhar para a mínima probabilidade de que um organismo de vida livre e unicelular (uma bactéria, por exemplo) poderia resultar de uma combinação do acaso de blocos de construção da vida (aminoácidos, por exemplo). Harold Morowitz, um famoso físico da Universidade de Yale e autor de Origin of Cellular Life (1993), declarou que a chance de qualquer tipo de geração espontânea era uma em 10100,000,000,000.3

Sir Fred Hoyle, um agnóstico popular que escreveu Evolution from Space (1981), propôs que a probabilidade era uma chance em 1040,000 ("a mesma probabilidade de que um tornado se arrastando por um ferro-velho poderia montar um Boeing 747").4

Francis Crick, um ateu e co-descobridor da "estrutura do DNA" em 1953, chama a vida de "quase um milagre". 5 Ele não poderia racionalizar as implicações metafísicas da sua descoberta do DNA, por isso desenvolveu sua teoria de "esporos de vida" na década de 1970.

Por falar nisso, cientistas de várias disciplinas geralmente fixam o seu "Padrão de Impossibilidade" em uma chance a cada 1050 (1 em 100,000 bilhões, bilhões, bilhões, bilhões, bilhões). Portanto, seja uma chance a cada 10100,000,000,000 ou uma chance a cada 1040,000, a noção de que a vida de alguma forma surgiu de algo sem vida tem oficialmente cumprido as normas científicas para a impossibilidade estatística.

Acho que o bioquímico da Universidade de Harvard e recebedor do Prêmio Nobel, George Wald, esclareceu perfeitamente toda a situação ao declarar:

É necessário apenas contemplar a magnitude dessa tarefa para admitir que a geração espontânea de um organismo vivo é impossível. No entanto, aqui estamos - como resultado, eu creio em geração espontânea.6

Então, o que esses cientistas estão descobrindo? ... Por que estão declarando que há uma chance enorme de que suas próprias teorias são improváveis? ... Por que estão propondo novas (e estranhas) pressuposições, tais como esporos de DNA de culturas alienígenas?...

Próxima página!

1 Michael Denton, Evolution: A Theory in Crisis, Adler and Adler, 1985, 261.
2 George Wald, "The Origin of Life", Scientific American, 191:48, maio de 1954.
3 Harold Marowitz, Energy Flow in Biology, Academic Press, 1968.
4 Sir Fred Hoyle, Nature, vol. 294:105, 12 de novembro de 1981.
5 Francis Crick, Life Itself - Its Origin and Nature, Futura, 1982.
6 George Wald, "The Origin of Life," Scientific American, 191:48, maio de 1954.


Gostou dessa informação? Ajude-nos ao compartilhar esse artigo com outras pessoas usando os botões dos sites sociais abaixo. O que é isso?




Siga-nos:




English  
Social Media
Siga-nos:

Compartilhar:


Perspectivas Científicas de Enxergar o Mundo

Problemas com o Registro Fóssil
Filosofia da Vida
Registro Fóssil
Metafísica
Complexidade Irredutível
Organismos Microscópicos
Teoria do Design Inteligente
Teoria da Evolução
Origem da Vida
Conteúdo adicional ...

Perspectivas Filosóficas de Enxergar o Mundo
O que a Bíblia declara ser verdade?
Teísmo
Fundadores dos Sistemas de Crenças
Religiões Mundiais
Descubra a verdade
Assuntos populares
Desafios da vida
Recuperação
 
 
 
Pesquisar
 
Add Geração Espontânea to My Google!
Add Geração Espontânea to My Yahoo!
XML Feed: Geração Espontânea
A Jornada Página principal | Sobre nós | Perguntas Frequentes | Mapa do Site
Copyright © 2002 - 2014 AllAboutTheJourney.org, Todos os direitos reservados.